quarta-feira, 9 de junho de 2010

Bem que poderia ter sido pra mim

Mais uma do Comer, Rezar e amar que ta servindo pra mim

"- Escute aqui, Sacolão — diz Richard. — Algum dia você vai olhar para trás, para este
momento da sua vida, e pensar que época deliciosa de luto ele foi. Vai ver que estava
lamentando a sua perda, e que o seu coração estava despedaçado, mas que a sua vida
estava mudando, e que você estava no melhor lugar possível do mundo para fazer isso.


Aproveite esse tempo, aproveite cada minuto. Deixe as coisas se resolverem.
...
Você se apaixonou por uma pessoa, e daí? Não entende o que aconteceu?
Esse cara tocou um lugar do seu coração mais profundo do que você pensava que era
capaz de alcançar. Em outras palavras, você foi fisgada, menina. (e posso dizer que foi de cara). Mas esse amor que você sentiu foi só o começo. Isso é só o amor mortal, limitado, café com leite. Espere para ver como você é capaz de amar mais profundamente do que isso. Nossa, Sacolão... você tem a capacidade de um dia amar o mundo inteiro. É o seu destino. Não ria."

( o livro fala de um asharam na Índia, mas eu estou no segundo melhor lugar pra esquecer alguem: São Carlos)

quinta-feira, 3 de junho de 2010

Tô afim de falar

Achei esse trecho do livro "Comer, Rezar e Amar" que fala exatamente como eu estou me sentindo no momento. Alias parece que fui eu que escrevi, mas jamais consegueria escrever uma linha do jeito que anda minha cabeça. Fiz algumas alterações... e é óbvio que o meu "david" não se chama david.


"O fato é que eu me viciado em David* (em minha defesa, posso dizer que ele havia
possibilitado isso, já que era uma espécie de homem fatal) e, agora que sua atenção
estava desaparecendo, sofria as conseqüências facilmente previsíveis. O vício é a marca de toda história de amor baseada na obsessão. Tudo começa quando o objeto de sua adoração lhe dá uma dose generosa, alucinante de algo que você nunca ousou admitir que queria - um explosivo coquetel emocional, talvez, feito de amor estrondoso e louca excitação. Logo você começa a precisar dessa atenção intensa com a obsessão faminta de qualquer viciado. Quando a droga é retirada, você imediatamente adoece, louco e em crise de abstinência (sem falar no ressentimento para com o traficante que incentivou você a adquirir seu vício, mas que agora se recusa a descolar o bagulho bom - apesar de você saber que ele tem algum escondido em algum lugar, caramba, porque ele antes lhe dava de graça). O estágio seguinte é você esquelética e tremendo em um canto, sabendo apenas que venderia sua alma ou roubaria seus vizinhos só para ter aquela coisa mais uma vez que fosse.
Enquanto isso, o objeto da sua adoração agora sente repulsa por você. Ele olha para você como se você fosse alguém que ele nunca viu antes, muito menos alguém que um dia sentiu desejo. A ironia é que você não pode culpá-lo. Quero dizer, olhe bem
para você. Você está um caco, irreconhecível até mesmo aos seus próprios olhos.
Então é isso. Você agora chegou ao ponto final da obsessão amorosa – a completa e
implacável desvalorização de si mesma.


O fato de eu ser capaz de escrever calmamente sobre isso hoje é uma grande prova dos
poderes de cura do tempo, porque não encarei os fatos muito bem quando estavam
acontecendo."


Espero que um dia eu possa dizer o mesmo no ultimo paragrafo.

segunda-feira, 12 de abril de 2010

O amor não tem idade

Então que meu amigo BEEyonce me conta hoje que a minha pessoa conseguiu se superar nos momentos "Bebida entra, verdade sai". A loka aqui, em uma conversa com um casal gay em plena festa, fala: Que lindo, vocês tão juntos há dez meses. O amor é lindo. Ai eu queria tanto conhecer o amor...

Besteiras a parte. Ai a gente vê esse pitelzinho, essa tchuchuquinha chorando.



Diz ae: num é de partir o coração?


Acho super válido fazer vaquinha pro Stephen visitar a Hannah no Japão.

And love, what a silly game we play...

domingo, 11 de abril de 2010

960 horas com ele

Eu presumo que foi isso, multiplicando 40 dias por 24 horas. Provavelmente foi menos. A questão não é bem essa, a questão é do tempo passar, e aquela coisa na barriga. Sofrer antecipado, horas ali esperando. Até que um dia uma amiga te fala "Parece amorzinho de adolescente". Não foi no bom sentido (e tem outro sentido?).

As coisas começam a ficar meio estranhas. Você não sabe direito o que é, mas como é que pode dar certo uma coisa que começou errada? Geral te diz. deixa pra lá! Mas tem algo, você não quer deixar pra la. Ele simplesmente aconteceu na sua vida e você nao pode deixar pra la.

Então você encontra com ele. Aquela ansia, todo aquele desespero é percebido. Homem tem feeling, homem não é bobo. Ele te despreza, ignora sua presença. Então faz aquilo que esperava que fizesse com você. Mas faz com outra. Droga, ferrou tudo. A bebida entra, a verdade sai. Você até quer chorar, mas sai uma sonora risada. Estranho.

No dia seguinte, acorda mal. Que saco de noite, pensei que ia me dar bem. Nada. O problema do mundo é essa troca de papel: mulher chegando e homem fazendo cu doce. Isso se chama fitisse. Você se sente mal a beça e não sabe porque, seria o amor? Até poderia dizer que era, mas tem um seguinte detalhe:

Há 1000 horas atrás, quando você estava numa cidade bem distante da que esta hoje, tinha um frasco com medicamentos anti-ansiolíticos com a data de validade vencida. Não reparou nisso. Há 1500 horas atras era pra ter trocado a receita da médica e pegado outra caixa de medicamento. Mas você não reparou nisso.

Quer dizer que isso tudo é coisa da cabeça, darling. Volta a tomar seus remédios, manda esse cara tomar no meio do olho do cu e vai estudar. Você não repararia na existencia dele se estivesse nas condições normais mesmo. Nada como um segundo depois do outro, porque superar rápido é preciso (e tomar o remédio certo também).

terça-feira, 23 de março de 2010

Super querendo um Rabbit

Um bilhão de vezes eu penso em sentar na frente do PC e voltar a escrever no Blog. Assuntos como Saúde Pública (agora que o EUA tem SUS né?), sobre mudanças (principalmente as de moradia), querer falar sobre Assédio Sexual (quem diria até eu fui vitima), sobre perfume, sobre o dia internacional da mulher... uma série de coisas muito mais interessantes que exigiriam muito mais reflexão da minha parte do que o que eu vou falar.

Mas o que me faz largar tudo, largar estudos, pirar a cabeça e esquecer até da minha mãe (literalmente): homens. Serio, dia desses eu falo chega e viro a Florence Nightingale. Por que eu super num to a fim de ser freira, não vamos exagerar né.

Sério, as vezes eu acho que ja vi de tudo. As vezes eu acho que eu ja tive experiencias (muitas delas constrangedoras) o suficiente pra falar "Nessa eu num caio nunca mais". E vou la eu, no passo do elefante, pronta pra fazer e permitir que façam merda.

Sabe o que eu falo pros meus amigos gays qndo eles vem chorar as pitangas:Viu, ta vendo, quando eu digo que vocês homens não prestam até parece que eu sou a mal amada. Devo até ser, mas que se foda, a questão não é essa. A questão é que sabe do que homem gosta? De filhadaputar. Fato. Só homem? Não, ser humano em geral. Mas alguns deles disfarçam.

Serio, depois de um tempo a gente percebe, tem pessoas no planetam que gostam de por a gente num pote. Mas num é num pote pra guardar de recordação. É num pote pra azeitonar mesmo, pra ficar ali ó, no Stand by. E os tontos vão la e fazem o que? ... valendo? Sabe que você tem uma queda, alias parece que tem um "feeling" pra captar sua fase mais sensível. Então o que elas fazem? Cutucam.

Elas se importam de verdade o que ta rolando na sua vida? Tenta saber de fato o que rola com vc? Que nada, só quer aumentar o próprio ego. Chega a ser ridículo. O pior, a gente cai, porque ta a fim. Como contrair sarampo sendo que esta vacinada disso. O sistema imunológico ficou burro de uma hora pra outra.

Quer saber? Tem duas coisas, ou a gente para com a Síndrome do Wando de "Num presto mas eu te amo", puteia a vontade e nem quer ligação com a pessoa no dia seguinte ou fica com quem gosta de você de verdade, pra ser feliz. Agora num vem com essa de mexer com quem ta queto, num vem azucrinar com quem ja deu bola pra frente. Num vem dizer que ta com saudades do meu jeitinho.

Como cantam as "The supremes": Porque você não vira homem e me libera? Você não se importa nem um pouco comigo, você só está me usando. Vá em frente, saia, saia da minha vida e me deixe dormir à noite. Porque você não me ama de verdade, você so me deixa esperando...

Se você é homem (ou uma mulher muito das chatas) FICA A DICA: Pára de colocar as pessoas em Stand By, ok. Simplesmente não é legal. Com sentimento alheio não se brinca. O que você nao quer, tem quem queira, então libera a pessoa. Isso se chama CRUSH, coisa de questão não correspondida, pessoas podem ficar uma vida inteira carregando isso (diferente da paixão), mas até hoje ninguém morreu disso.

Isso é fato: Ninguém morre por paixão correspondida, mas deixa de viver em paz por elas.Então toma vergonha na cara e pára de dar esperança pra quem você sabe que num vai pegar e vai se fuder na puta que pariu. Sem medo de ser feliz, ok.

P.S.: Pessoas com namorado? Eu ein, tô fora, pra mim é mulher, e daquelas com mustache. Tem tanto solteiro no planeta, boa parte deles localizados em São Carlos, com ensino superior, inteligentes, futuros alguma coisa importante de verdade, me diz: porque eu vou querer uma encrenca dessa na minha vida.

quinta-feira, 4 de março de 2010

Amarelando

Lembra da final da Copa do Mundo de 98 que todo mundo estava na expectativa de ver o Ronaldo jogar, e disseram que ele teve uma convulsão um dia antes do jogo por ter ficado nervoso devido ao estresse? Aquele evento foi chamado de "A amarelada".

Eu to tendo uma amarelada bem agora. Bem na véspera do tão aguardado "jogo". Justo quando passei os últimos meses nadando e pra morrer na praia. Ou será que a praia tava tão longe e eu só tava vendo uma miragem? Não sei, eu só sei que passei os meses na expectativa que eu daria uma volta por cima, que conseguiria as coisas. Eu achei que foi o suficiente, agora eu sei que não foi, alias eu nem isso sei dizer. Só sei que estou acabada sabe, de todas as formas possíveis. E tão acabada que a música mais parecida com a minha situação é da Lily Allen!

Is sad but is true, how society says your lifes already over, there's nothing to do and there's nothing to say...




Serio, chega a doer ao parar pra pensar que eu estou mal de verdade por causa de uma matéria de faculdade. Se eu for parar pra admitir essa é a verdade, eu to chorando nesse momento porque não tenho coragem de ir fazer uma prova. Mas tudo a respeito de mim nesse momento se voltava a isso, entende. Antes de voltar pra São Carlos, eu escutei no carro aquela música da Kelly Clarkson "Breakway" e depois de meses comecei a chorar. Será que eu fiz o certo em ter deixado as pessoas que mais amo de lado? Será que eu fiz errado de nas horas que eu devia ter estudado eu ter parado pra atender eles? O que vai ser de mim em exatas uma semana? Será que tudo isso está valendo a pena?No segundo semestre do ano passado, aconteceram bilhões de coisas. Eu estudei pra fisiologia, mas eu ia pegar DP direto, fiquei um mês inteiro estudando e foi bem frustrante. Na reta final consegui ao menos pegar REC. Eu achava que ia ter um segundo de paz. Eu não tive. Dois meses e pouco depois eu tenho que ir num oculista, porque com certeza o meu grau ja aumentou, eu tenho dor de cabeça constante, eu não consigo comer direito e a cada coisa que ponho na boca me imagino engordando quilos. O pior, eu fico pra morrer quando associam que eu to mais bonita por estar magra. Não é bacana isso, queria estar gorda mas saber o que estou fazendo, com a minha alto estima la no alto, e ela não esta. Eu me olho no espelho e me sinto destruída.Eu fui pra São Paulo e voltei super entusiasmada pra estudar anatomia, pra me tornar monitora. Eu estudei pra isso, passei um mês batendo o pé estudando pra Anato e fisio ao mesmo tempo. Até ontem eu achava que eu podia, que eu tinha chance. E agora? A droga da prova tirou o meu sonho, a minha vontade de estudar. Puts será que passar um dia inteiro sentado na frente de um PC valeu a pena?

Só sei que as pessoas que eu amo estão longe. E eu não dei a mínima atenção pra elas. Eu queria voltar no tempo e falar pra minha melhor amiga: Calma, to indo ai no shopping fazer companhia pra vc. Ou dizer pra outra amiga: Hey, eu topo sim de ir com vc no Intervales. Ou de ter parado tudo pra conversar com a minha mãe quando ela precisava de mim, e não ter pedido pra ela sair porque eu estava estudando. Valeu a pena isso? Na hora eu achava que valeria. Queria ser aquelas pessoas que dizem que não se arrependem daquilo que fez. Não consigo, eu me arrependo daquilo que fiz e de tudo aquilo que deixei de fazer.
E aquelas vozes na cabeça que ecoam, você não vai conseguir. Na verdade eu tenho mais imagens fixas de pessoas conhecidas falando "Ah, mas você não se esforçou vai" ou "Ah, mas vc tava levando na brincadeira". Ok, um super obrigado e até mais. O que posso dizer se o mínimo para os bem sucedidos é o meu máximo? Do que vale a pena tentar discutir, a pessoa na sua frente, utilizando outra palavras disse que você não levando nada a sério.
Quando eu fui em São Paulo, todo santo dia estudava um tiquinho pra uma apresentação e na última semana eu tentei. Óbvio que não fui mega caxias no período que estava lá, mas eu me esforcei de verdade, num levei na brincadeira. Antes de começar a apresentação, acabei mexendo no power point pra mostrar que eu realmente sabia do que eu estava falando e por medo da crítica de um dos monitores. Resultado, eu amarelei na hora, me atrapalhei bonito. Como eu tento fazer durante essas situações? Fazendo alguma piada, é minha natureza fazer isso. Era meu nervosismo, sei la. O que eu ouvi depois: Ah mas vc tava brincando no início. Eu não estava.
É isso, me sinto um fracasso. Mais uma matéria bombada. Adios Fapesp, adios monitorias, adios carreira academia. Vo ali prestar vestibular de novo e ja volto.

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

Eu sou os homens

Mesmo que fosse um armário cheio de Melissa e all star... mesmo assim eu mais os homens nesse comercial.




E sim... é uma propaganda gratuita... pq acabei de tomar uma heineken com doritos de pimenta. Perfect!

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

Orgasmo e bicicleta

Depois desse vídeo, a gente fica pensando: seria a bicicleta a melhor amiga da mulher?







Hmm.... não!