sexta-feira, 6 de março de 2009

Uma última olhada...

Até parece que vou morrer. Não, não é bem assim. Mas quando a gente sente que tudo vai mudar; quando sabe que isso é inevitável, começa a ver as coisas de maneira especial.

Meu último passeio nessa cidade, como moradora oficial, foi corrido. Pareceu um dia normal, mas ao encontrar conhecidos sempre frisando: Amanhã to indo pra Sanca. Receber boa sorte. Perguntas frequentes do tipo: Você não está com medo não? Prefiro nem pensar. Mentira pura, não paro de pensar nisso.

Passei pela perfumaria e vi dois shampoos da Johnsons. Lembrei da minha sobrinha adotiva, a Maria Eduarda. Eu e a mãe dela somos vizinhas e sempre brincamos juntas, temos a mesma idade. A Duda sempre sorri quando me vê e sinto uma paz imensa quando pego ela no colo. Aquela coisinha gostosa anima meu dia. E eu nem vou ver ela aprendendo a andar. Parece que eu devia ter aproveitado mais essa coisinha linda que sempre quer pegar no meu cabelo.

Minha mãe não pára de correr de um lado pra outro. Meu pai e seus últimos conselhos "cuidado por onde você vai andar por lá". Quando eu disse que ia no cinema e voltar pela meia noite: Você nem devia sair hoje, pelo menos volte cedo e não volte sozinha, você se arrisca demais". Conselhos de pai, com certeza farão falta.

A cidade esta quente, isso porque eu considero a mais gelada do Estado de São Paulo. Andando pelas ruas para chegar na casa da Thata a gente percebe cada vez mais famílias saindo de suas casas. O calor que está castigando todo mundo obriga a se encontrar com os vizinhos, sentar nas calçadas e ver a criançada brincando.

Fui ver o Brad Pitt com a amiga Thaís e o compadre Rafael. Pareciam dois adolescentes. Será que aqueles dois estavam com alguma síndrome da falta de água na boca? Tinham que trocar saliva o tempo todo. O filme é legal, realmente tem furos no roteiro, se formos por no papel a idade deles não bate. Mas sério, vamos relevar, dar uma de crítica de cinema e não se deixar levar pela história.

Na saída, a Thaís comenta que vão trazer a C&A em Itapê, lá no shopping. Como assim? Pra quem é de fora e mora em cidade grande, não entende meu espanto. Mas são anos morando nessa cidade, indo pra Sorocaba e desejando "Puxa bem que podia ter na minha cidade". Agora que vou embora tá chegando?

Despedindo da amiga: Vê se me manda mensagem. Vê se me escreve. Não vamos chorar .

As coisas vão mudar. Eu vou mudar. Meus amigos vão mudar. Tudo pro nosso crescimento. Dizem que certas coisas não mudam, ainda não sei, não cresci o suficiente pra dizer: Nossa que coisa, isso aqui não mudou em nada. É esquisito, é estranho.

Será que estou fazendo o certo? Será que só fiz coisas erradas?Foram tantas bobagens que fiz, tantas que até coro em pensar. Eu devia ficar pra nada mudar? Não sei, só vou descobrir lá. Ai lembro que talvez em cinco anos eu diga a mesma coisa, Será que não podia ficar aqui pra sempre. Então vou fazer outra coisa e um novo ciclo vai começar.

Outros pensadores filosofaram melhor que eu sobre esse doloroso processo que é crescer. Talvez minha fase de crescimento veio um pouco mais tarde. Vou começar essa fase de faculdade quando há pessoas da minha idade que já terminaram. Melhor assim, penso eu que estou mais madura do que era a garota de antes. Chega de pensar nisso, neste momento é o melhor.

Nesses últimos tempos escutei cada coisa, tanto boa quanto ruim. Teve gente me dizendo que eu ia me dar bem, que as coisas iam sair conforme o que eu planejei porque lutei por tudo. Eu agradeci por essas. Mas escutei também coisas, como se eu fosse virar drogada, biscate, que ia chutar o balde por todos os anos de proteção do meu pai, ou que simplesmente não ia aguentar e voltar embora na primeira crise. Essas entra por um ouvido e sai pelo outro, mas atravessando o campo da memória. Enfim, ninguém sabe do futuro, tentarei traçá-lo da maneira que achar melhor.

Poxa, quem sabe eu volto, um dia eu volto mas só depois que a saudade se afastar de mim.

Pra vocês, um vídeo (indicado pela amiga Carol) que fala muito bem sobre essa fase que eu estou passando.



Beijos pra vocês!

Nenhum comentário: