domingo, 7 de dezembro de 2008

From Roça

Tarde de sábado complicada de ficar em casa. A cabeça cheia por pensar demais em bobagem, vestibular e seus erros, bobagem, mãe fazendo rádio, chefe, bobagem. Nessas horas a gente precisa sair pra caminhar e refrescar a cabeça.

Enfiei aquele Jeans, tênis e camiseta branca para andar com o som na orelha e esfriar a mente. Ja na porta de casa encontro os vizinhos se divertindo.Ô delícia sentar na calçada, ganhar cervejinha e fofocar um pouco. Minha vó adotiva, a cada pessoa que passa ela pára pra dizer o quanto eu cresci. Fala com gosto (e certo exagero) que me criou enquanto minha mãe estudava e tals. É gostoso também quando o povo me olha pra dizer "Como você ta uma moça bonita". Ganhei até beijinho melecado de um gatchenho... ok... ele tinha três anos e foi na buchecha.

Andando pela rua vejo uma ex aluna. É tão gostoso, depois de um bom tempo, ser chamada de "Prôoooo".

Andei andei andei (até encontraaar) e fui no shopping. O shopping daqui não é ENORME mas la é gostoso, calmo. Bom encontrar as pessoas conhecidas, fuçar nas lojas de departamento e nas livrarias. Engraçado ir no EXTRA e encontrar vários conhecidos, como se o supermercado fosse um secos e molhados versão grande. Todos perguntando sobre a família e prometendo visitas. Alias, todo dia tem visita em casa, se fosse em outra época seria horrivel, mas agora é o que faz o dia se tornar diferente.

Fui encontrar a amiga Thaís, eis que ela não está na casa. Foi fazer unha. La vai eu procurar o salão, e era aqueles de típico de bairro mesmo, com a mulherada tudo amiga. Minha paicela la sentadinha dando risada das bobagens que o povo fala e a gente incrementa. Aqueles assuntos mais cabeludos (coisa que homem não deve saber mesmo). Rolou até bolo de maracujá caseiro e coca cola porque era festa de aniversário de uma das cabeleireiras. Se tiver festa todo dia, volto sempre.

Voltando pra casa com o mp3 da amiga T, o único em que Milton Nascimento esta do lado de MC PERLA, fora o Beatles do lado de Avril. Éeee... eu confesso que tambem tenho essas pérolas no meu aparelhinho. Depois de banho gelado e um início de estudo, escuto um som de banda. Saio na rua pra ver e é simplesmente a banda municipal oficial tocando "Parabéns pra você" pro meu vizinho, que também faz parte dela. Todo mundo na rua pra ver, vesh. E ver os mais idosos escutando as músicas antigas e cantando junto. Alguns ex vizinhos da turma de criança, uma ja com filho, saindo "pra ver a banda passar cantando coisas de amor" (tocou essa música e todo mundo cantou). Criançada na rua andando de patins e bicicleta. Minha Vó sentada na cadeira. Minha mãe em volta da coberta (pq não pode ficar na friagem). Vizinhos em festa.

Depois de tudo o que aconteceu comigo e ainda acontece, fico até pensando se eu realmente quero sair daqui. Ok... eu quero. Itapetininga não é esse mar de rosas todos os dias. Infelizmente tem um bilhão de problemas, típico de cidades em transição, deixando de ser média. Mas é esse clima bucólico, acolhedor, é isso que me dói. Eu quero muito passar em SP e sei que lá num vai ter muita coisa que eu tenho aqui. Mas é tudo isso que me faz adorar o lugar que eu vivo AGORA. A querer valorizar os instantes que eu to nesse lugar. Parece que a cada dia acontece coisa nova. Sensações novas, que me dão medo pra caceta, mas que me fazem sentir viva e eu ainda nem comecei a viver.

... Amo muito tudo isso.

Um comentário:

Flá disse...

Eh,Itapê tem seu charme...mas irrita!

PS:Meu mp3 tem umas bizarrices dessas tb...=X haiuhaiuhaiua