sexta-feira, 19 de setembro de 2008

Ensaio sobre a doidera

Sabe, eu já descrevi as diversas formas de tontices que minha chefe faz. Mas hoje ela se superou absurdamente.

Nós discutimos por algo ABSURDAMENTE bobo. Eu digo bobo de infantil mesmo. Nada comparando com a artéria jorrando sangue que vi pela manhã. Ela me deu uma ordem, eu fiz e depois ela me disse que ela não tinha pedido isso de uma maneira tão mal educada que eu fiz questão de falar que "Sim. VOCÊ pediu". Tem um ponto de discussão com a chefe que você tem que pensar: Ou levar o desaforo pra casa ou simplesmente encarar como algo desnecessário. Eu conciliei os dois. Odeio ter que ficar queta quando totals sei que eu estou certa, quando as leis da física e as regras da gramática estão ao meu favor. Mas do que adianta discutir? Seria INTERMINÁVEL. E os monólogos dela são próximos do fim do mundo. Até ai morre.

Mas falar de mim na terceira pessoa na MINHA FRENTE pra uma outra pessoa é algo bem sem explicação. É assim, "Fulana, pede pra Priscila pegar tal coisa". Mas olha a coincidência, a Priscila ta na frente dela, olhando pra ela. Eu fico realmente com dó da fulana que é obrigada a repassar o recado pra mim.

Ai meus sais...

Um comentário:

Clayton disse...

Olá! Muito obrigado pelo comentário!!! Eu nem sou assim FÃ de sushi em geral, sabe, mas temaki eu to pegando gosto!

Sobre o danoninho.... não sei como era a receita q vc fez, mas eu uso 2 latas de creme de leite e uma de leite condensado.... o sabor não fica forte e rende, sei lá, umas 6 porções?

Bjos!