sábado, 5 de abril de 2008

Motoboy

Na rua do Cumão tem uma empresa de mototaxi. Aquele bando de homens suados e fedorentos reunidos. Igual a construção, passou qualquer uma de saia e eles ja tão lançando assovios e cantadas. Não perdoam uma. Até a vó Cidão, que ta na casa dos 80 há uns 10 anos, já ganhou uns gracejos.

Sempre que saio pra fazer os serviços externos, encontro um infeliz que insiste em fazer graça. Ele não é feio, acho que depois de um ótimo banho e tirar as perebas do rosto com pedra pomes, o ser ficaria aceitavel para a sociedade.

Nesta semana loca, acordei tarde pra trabalhar e como meus pais foram viajar, fui tomar o desejum no supermercado. Nem deu tempo pra comer meu pedaço de pizza fria e a coca-cola trincando de gelada.

Passei na frente do motoboy toda apressada, pronta pra jogar a lata semi-cheia no lixo quando escuto um:
_ Uiii que delicia. Ei da um golinho ai mocinha.

Eu, muito lesada: _ Pode ficar com ela, campião.Eu ia jogar mesmo.

A cara pasma do motoquero. A minha cara de "acabei de acordar e nao estou raciocinando".

Depois de muito tempo, me liguei que dei trela pro inimigo. Aguenta amiga, aguenta.

Um comentário:

Cinthya Rachel disse...

hhahahahahah, amei essa história. ele ficou com medo, pq nao esperava que vc respondesse! hahahahah. ah, qto ao negócio do cabelo ele fica cacheado normal, só que mais fofinho e com brilho. pode fazer sem medo