sexta-feira, 28 de março de 2008

Job



Comprei um livro chamado "A distância entre nós" nesses dias e só agora terminei de ler. Não vou contar toda a história do livro, mas é basicamente um relato sobre uma patroa e a empregada. Apesar de serem de castas diferentes (isso ainda existe), levaram uma vida parecida, com decepções e compartilharam isso no meio de uma sociedade indiana "cruel" para os padrões ocidentais.

Tem uma coisa que vi no livro, que é universal, e me irrita muito. A tal da gratidão excessiva que algumas pessoas tem sobre seus chefes. É isso que eu vi ser questionado no livro pela neta da empregada.

Ta certo que emprego não ta fácil de achar. Batalha-se muito, procura-se fazer o melhor pra poder trabalhar em um lugar legal e os melhores, somente esses, podem ESCOLHER onde quer trabalhar. O resto tem que rebolar mesmo. Mas nem por isso alguem ta no serviço por favor. Tá la por que quer algo em troca, 99,9% quer din din.

A pessoa não faz mais que a obrigação em pagar todo 5° dia util do mês, e definitivamente não é ser bom patrão por isso. Muito menos dar uns "mimos" em épocas de festa. Ja vi pessoas agradecerem patrão por receber décimo terceiro como presente de final de ano.

As vezes vejo até minha mãe falando que eu devia agradecer de estar trabalhando, mesmo que seja por pouquissimo. Fala como se fosse a BIG chance, só pra dizer que tenho um emprego e não mais uma.

Uma vez eu li, não lembro aonde, que dizia que o melhor incentivo que uma empresa pode oferecer ao seu empregado é um salário justo todo mês e a gratificação de trabalhar em um bom lugar. Isso vale mais que qualquer palestra. Concordo plenamente.

Nenhum comentário: