domingo, 6 de janeiro de 2008

Puts Puts Puts

Adoro dançar desde pequena e acho mesmo que quem dança os males espanta. Fiz ballet e jazz por um ano e meio e quase voltei a fazer em 2007. Altos micos pagos dublando Chiquititas, Spice Girls e até Axé.
Na noite do casamento da Thamyres, dona Tati me liga convidando pra ir na baladinha do Space Lounge, perto de casa. De inicio tava bem vazio e tocando só black. Quando foi 2:00 da manhã a situação melhorou, começou a música eletrônica. Nunca fui muito fã mas mudei de opinião.
É tão bom dançar sem se preocupar com passos certos, só a batida da musica guiando os pés. Da até pra meditar escutando Psy. Vem um sentimento tão bom em nossas mentes.
Parece que to filosofando, mas é a real. Não precisa de drogas pra curtir o som, quem usa perde de viajar só com o som. Também não acho legal esse alarme todo contra festas raves, antes eu achava isso. Não precisa acabar com baladas por causas disso, é mais questão de organização policial, mas sem repressão.
O saco de Itapê é que o povo sai muito pra se aparecer e não pra curtir a festa. Vai para mostrar a roupinha nova e pra beijar. Os meninos parecem uns desesperados pra "catar" as meninas. Teve um que tentou me prensar e eu que sou um doce disse "Amigo... SAI DAQUI", ele escafedeu de medo, ri muito.

Ano Novo com as meninas do cursinho (Carol, Nayara,Gabi e a Alice) também foi louco. A balada estava bem estruturada, e ar livre é BEM MELHOR. Entrar na Vip sem pagar e beber a vontade Espanhola é muito bom.

Tenho que agradecer a Tati por ter me apresentado o Psy, com direito a explicações e uma lista com várias músicas bacanas. Bora pras PVT's!

Um comentário:

evao do caminhao disse...

tirando os caras dos malabares eu até curto

kkkkkkkkkkkk